quinta-feira, 1 de maio de 2014

Crónica de Ida Pereira nº6

Mais uma Taça do Mundo na Bancada!


Não é a primeira vez que estou na bancada de uma prova importante. E sei que não será a última.

Comecei em 1973 em Roterdão num Campeonato do Mundo. Com 21 anos feitos e depois de poupar algum dinheiro, ir a um Campeonato do Mundo sozinha em 1973 e sem conhecer o país, foi uma aventura.
Foi fantástico, havia alguns portugueses presentes muito poucos, mas também não os conhecia. Não havia ginastas Portuguesas. Enfim estive sozinha, e estive muito bem.
O que mais me ficou gravado na memória foi a Siberiana Galina Shugurova da União Soviética, a veterana da Bulgária Maria Guigova e a velocidade de execução das ginastas da Coreia do Norte.

Havia um exercício obrigatório de maças, que embora igual e repetitivo, testou-me para saber se realmente aquela era a minha modalidade. Os conjuntos de seis cordas prenderam a minha atenção desde o mais fraco até ao mais forte, nunca tinha visto nada que se comparasse.
Não vi as finais, havia que poupar, mas só o fato de estar ali já era muito bom.

A partir daquele momento comecei: a poupar dinheiro para o próximo Campeonato que se realizava dois anos depois, e a pensar como poderia também assistir aos treinos.
Seguiram se também da bancada mais dois Campeonatos, 1975 em Madrid com boicote dos países socialistas e nórdicos e 1977 já um campeonato com todos os países.

Seguiram sempre da bancada muitas competições Campeonatos do Mundo e da Europa, Campeonatos de Espanha de Conjuntos, Torneios Internacionais, Taças do Mundo, Test Event e Jogos Olímpicos.

fotografia
(Campeonato do Mundo de 1991 em Atenas – Portuguesas na bancada assistir ao concurso II)

Quantas treinadoras é que se deslocaram ou deslocam a expensas próprias para ir ver um Campeonato do Mundo? Neste momento cada vez menos, mas é pena.

Ver uma prova da bancada da nossa modalidade é sempre uma experiência diferente. Não temos horários de treino a cumprir, vimos o que queremos (e o que podemos ver), podemos visitar a cidade e participar na sua vida cultural, e não temos responsabilidades. E a importância para a nossa formação como treinadora, é grande porque ver uma competição de perto não é a mesma coisa do que ver em vídeo.

Tenho boas recordações de bancada... E mesmo quando as recordações não são boas, ficam aprendizagens na Ginástica e na vida.

Abril de 2014 – Ida Pereira

Sem comentários:

Publicar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...